Os psicólogos não são todos psicólogos clínicos (isso é apenas um tipo de psicólogo). Fazemos outras coisas e, mais importante, no meu caso, investigamos outras coisas também (se quiserem saber mais sobre o que estuda a psicologia vejam este post). Neste post apresento-vos 4 áreas da psicologia para além da clínica (existem muitas, mas penso que estas são as principais que agregam a maior parte dos psicólogos): psicologia social, psicologia das organizações, psicologia da educação, psicologia forense e psicologia clínica. 

 

5 áreas da psicologia

Psicologia Social

Esta é a área da psicologia em que eu faço investigação. A psicologia social estuda como as pessoas pensam, se sentem e se comportam com /sobre os outros.

A psicologia social tem muitas áreas de investigação diferentes, como cognição social (como pensamos sobre os outros), influência social (como a presença dos outros afeta o nosso comportamento), persuasão (como mudar as atitudes das pessoas, um pouco mais complexas do que comportamentos), relações intergrupais (estuda as interações entre grupos).

Como um dos aspectos que caracteriza a humanidade é a natureza social de nossa existência, a psicologia social tem implicações em muitas áreas. E a investigação feita em psicologia social pode ser aplicada a outros campos (basicamente qualquer campo onde as pessoas interagem umas com as outras). A influência social e a persuasão são muito importantes para o marketing e o comportamento do consumidor.

Também é útil entender comportamentos de grupo, como aqueles que acontecem no trabalho ou nas escolas. Por exemplo, o social loafing, uma redução no esforço quando as pessoas trabalhamem grupo vs. individualmente (Karau e Williams, 1993), é um conceito importante a ter em mente quando se trabalha em grupos.Ou enviesamentos na maneira como nos percebemos a nós mesmos ou aos outros que podem não ajudar na construção de relacionamentos.

Mas os psicólogos sociais não são todos investigadores, eles também podem trabalhar em marketing (a fazer estudos de mercado ou a usar persuasão e influência social para promover um produto ou serviço), trabalhando em ONGs que trabalham com minorias, podem trabalhar como terapeutas familiares ou com grupos (em negociação, fazendo atividades de team building ou a trabalhar como consultores). E provavelmente muitas outras coisas, mas essas são algumas para vocês terem uma ideia. 

 

Psicologia das Organizações

Esta área foi um dos focos do meu mestrado e mesmo que eu a tenha deixado para trás, continua a ser uma das áreas da psicologia em que continuo a manter-me minimamente atualizada. É principalmente uma área prática com investigação aplicada, o que torna a investigação nesta área muito prática e mais fácil de traduzir para a prática do que outras áreas da psicologia. Estuda o trabalho a diferentes níveis: organizações, grupos e indivíduos.

Estuda como os grupos funcionam e como eles podem ter um desempenho melhor, como as pessoas podem ser mais produtivas, como podem recuperar mais rápido do esforço e como podem ser mais felizes fazendo o seu trabalho (para serem mais produtivos, como é óbvio). Também estuda como as organizações podem aumentar o comprometimento e a satisfação com o trabalho, ao mesmo tempo reduzindo o turnover (a rotatividade dos empregados), dias ausentes e outras coisas que podem não ser muito boas para as empresas. Também se concentra nas diferenças individuais, como diferentes ritmos circadianos ou estratégias para ajudar cada indivíduo a dar o melhor de si e a treiná-lo para ser melhor.

Os psicólogos podem estar envolvidos em todas as etapas para aumentar o capital humano. A avaliação (feita durante o recrutamento, mas não apenas) pode ajudar a entender quais os indivíduos que se encaixam melhor numa função ou empresa (em termos de valores e competências).

Os investigadores continuam a tentar encontrar novas ferramentas que nos permitam avaliar melhor as pessoas e colocá-las a trabalhar no melhor lugar para elas e para a empresa. Eles também se devem concentrar no bem-estar dos funcionários. Alguém que não esteja bem descansado e a sentir-se bem cometerá mais erros e produzirá menos. Então, o nosso bem-estar é, na verdade, uma questão de poder trabalhar mais e melhor. 

Para mim, a psicologia organizacional ajudou-me muito a entender como a carreira funciona, como fazer o melhor currículo ou como me preparar para as entrevistas (por já ter estado do outro lado). Mas muitas vezes eu acho que a investigação não é vista como um trabalho e que os académicos beneficiariam muito dos psicólogos  do trabalho/recursos humanos,trabalhando para melhorar o recrutamento, o tempo de descanso, o equilíbrio entre trabalho e vida pessoal e assim por diante. 

Se estiverem interessados nesta área, recomendo vivavemente o science for work.

Psicologia da Educação

Esta é principalmenta uma área prática, com investigação aplicada. Estuda como podemos aprender melhor, quais são as diferenças individuais na aprendizagem, como ajudar as pessoas a obter níveis mais altos de educação, como manter os alunos na escola, como ajudar os professores a ensinar melhor e apoiar seus alunos e como ajudar pessoas de todas as idades a compreenderem qual a carreira que é melhor para elas e como podem atingir o seu potencial.

Os psicólogos educacionais podem trabalhar em escolas com alunos, professores e pais. Podem trabalhar com a população escolar em geral ou planear intervenções específicas para lidar com obstáculos que dificultam o progresso e o desempenho dos alunos. Podem trabalhar com pessoas com deficiências, como por exemplo, em intervenções precoces – programas para ajudar crianças muito pequenas com problemas diagnosticados a terem o melhor prognóstico possível – ou com alunos com problemas neurológicos/psicológicos que afetam a aprendizagem, como a dislexia, a discalculia, o défice de atenção e hiperatividade, ou outras perturbaçoes da aprendizagem. Podem intervir também no comportamento dos alunos (incluindo comportamentos disruptivos que podem prejudicar a aprendizagem, o bullying, etc.).

Também são responsáveis ​​pela orientação vocacional. Isso pode ser feito em diferentes fases da vida com crianças, adolescentes (o mais comum), adultos e idosos. Neste processo, tendo por base em uma avaliação das habilidades, valores, preferências e competências, estes psicólogs farão uma recomendação para um curso ou carreira que corresponda ao perfil da pessoa e vão ajudá-la a definir as etapas para seguir esse caminho.

Psicologia Forense

Actualmente existem vários programas televisivos que retratam a actuação dos psicológos forenses, mas afinal o que é a psicologia forense? É a aplicação de conhecimentos da ciência psicológica aos vários ramos do direito, no sentido de auxiliar as decisões judiciais ou a investigação criminal.

As decisões judiciais em que os psicólogos forenses aplicam os seus conhecimentos podem ser no âmbito da regulação das responsabilidades parentais, decidir se um dado sujeito pode ser considerado inimputável (incapacidade de o individuo agir em conformidade com o direito devido a forte perturbação psiquiátrica), aferir sobre a capacidade que uma criança tem para testemunhar em tribunal bem como ponderar a credibilidade de um relato, por exemplo nos casos de abuso sexual.

Ainda, pode ser útil para compreender a personalidade do individuo e, nesse sentido, ajustar a aplicação da sentença tendo em conta factores como por exemplo a perigosidade (entendida como a probabilidade de um individuo cometer o mesmo tipo de crime ou crimes em geral). Outro aspecto prende-se com os casos em que individuos não possuem capacidades cognitivas (por exemplo nas pessoas com demência) para gerir o seu património ou poderem tomar decisões autonomamente como comprar um automóvel.

Por fim, ajuda também a quantificar o grau de incapacidade após um acidente sofrido, quando esse acidente parece ter produzido perturbações psicológicas (como por exemplo Stress pós-traumático).

Em termos de investigação criminal, a psicologia forense procura ajudar a diminuir o grau de incerteza dos testemunhos oculares, apoiar a condução da investigação criminal através da formulação de perfis (conhecido como profilling), que são sempre expressos em probabilidades e auxiliar o levantamento de informação em contexto de interrogatório.

Os psicológos forenses podem trabalhar em prisões nos serviços de saúde mental, como acessores dos tribunais, nas polícias, nos serviços sociais, nos hospitais, em departamentos universitários e podem desenvolver actividade privada como consultores.

Para abrir a discussão,

Existem muitas áreas da psicologia, estudas/trabalhas em alguma destas áreas? Gostarias de ver mais posts sobre alguma delas por aqui? Digam-me tudo nos comentários.

[wpforms id=”157″ description=”true”]

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *